Diário de Agosto

Agosto era o pior mês. Pelo menos costumava ser. Os dias eram cansativos, aborrecidos. Calor demais, actividades a menos. As aulas ainda demoravam a começar e o entusiasmo das férias já tinha sido substituído pela monotonia. Mas o que era, nem sempre será. Este ano não houve um dia por preencher. Cada hora foi aproveitada plenamente. Ler à sombra, ouvir música no comboio, escrever postais e nadar no rio. Sempre fui uma rapariga de inverno e Setembro sempre será o meu maior amor, mas, este ano, Agosto roubou a minha atenção e um pouco do meu coração.


LIVROS

Não vejo noticiários na televisão, mas o jornalismo é dos meus maiores interesses. Quando estudava na universidade, havia sempre um pequeno excerto do Eça de Queirós que costumava aparecer nos meus apontamentos. Era do livro Cartas Familiares e Bilhetes de Paris e falava da relatividade das notícias e de como os acontecimentos longínquos significam menos para nós do que aquilo que nos é próximo. Nunca me revi nesta realidade. Por mais interesse que tenha por aquilo que me rodeia, a minha curiosidade está no que desconheço. Talvez seja por isso que a jornalista portuguesa Alexandra Lucas Coelho é das minhas escritoras preferidas. Ela viaja do Afeganistão ao Brasil, do México à Síria. Vê o bom e o mau e relata-o com uma vivacidade que quase nos faz acreditar que estamos ali, mesmo ao lado dela, a cheirar as rosas de Cabul, a tremer ao som das bombas no Líbano. O livro Caderno Afegão foi dos meus favoritos e este mês decidi continuar a viajar através das leituras dela. De dia, via os jogos Olímpicos no Brasil, à noite lia sobre esse belo país cheio de contrastes no  seu livro Vai Brasil. Em tardes de calor, quando tudo o que desejava era uma sombra e uma bebida fresca, trocava o jornalismo pelo romance e lia E a noite roda, também da Alexandra Lucas Coelho. Acho que ela foi a minha obsessão de verão, mas tenho a certeza que me fará companhia no Inverno.


MÚSICA

Não gosto de escrever sobre música. Descrever sonoridades, analisar acordes e romantizar letras não é para mim. O que eu gosto de fazer é ouvir. Fechar os olhos, adormecer a minha mente e deixar-me envolver na beleza de uma música. As que não saíram da minha cabeça este mês foram She's so lovely dos Beach House, Middle Names do Devendra Banhart, Tuyo do Rodrigo Amarante e o albúm O Grande Encontro de Toquinho, Vinícius e Maria Creuza.



YOUTUBE

Este mês sinto que passei mais tempo do que é costume a ver vídeos no Youtube. Comecei a ver a mini série da Vogue What on Earth is Wellness?, onde a modelo Camille Rowe fala com neurocientistas, nutricionistas e psicólogos sobre o que é o bem-estar e como o podemos atingir. Também comecei a seguir o canal Vox que aborda temas da actualidade e nos esclarece sobre ciência, educação, história e cultura em pequenos vídeos de cerca de 15 minutos.


Espero que o vosso mês de Agosto tenha sido tão agradável e completo como foi o meu.

Obrigada