O que ver, ouvir e ler durante a Fashion Revolution

A morte de milhares de pessoas nas fábricas têxteis de Rana Plaza em Daka, Bangladesh, abriu o debate sobre as más condições existentes nas cadeias de produção de marcas de fast fashion. Três anos depois deste trágico acontecimento, há cada vez mais iniciativas para aumentar a transparência na indústria.
Ao longo deste post partilho alguns filmes, podcasts e artigos sobre as pessoas que estão a tentar pôr a responsabilidade social, o meio ambiente e a sustentabilidade outra vez na moda.


FILME

Com o objectivo de contribuir para uma indústria da moda mais sustentável, The next black: A film about the future of fashion explora o futuro das roupas através do olhar e das opiniões de algumas das marcas e pessoas mais inovadoras da indústria. Será que o consumo em massa vai continuar a aumentar? Ou vamos voltar a comprar productos de qualidade e cuidar daquilo que já temos? Será que o futuro vai estar na roupa inteligente e nas novas tecnologias ou vamos regressar aos métodos orgânicos e tradicionais?
Este documentário de 45 minutos alerta-nos para estes temas através dos olhos de designers, cientistas e ambientalistas que querem tornar a indústria da moda mais interessante, sustentável e inteligente.

Biocouture Ltd, photo © The Next Black, AEG



SÉRIE

A série Sweatshop produzida pelo realizador norueguês Joakim Kleven segue três bloggers norueguesas numa viagem ao Camboja. Os primeiros episódios mostram as bloguers Ludvig, Frida e Anniken a divertirem-se, ignorando que a maior parte da roupa que compram é produzidas naquela cidade por mão de obra escrava em condições desumanas. Mas bastou uma visita às fábricas para as suas opiniões sobre a indústria da moda mudarem. 
A série conseguiu abrir o debate político sobre as más condições de trabalho das cadeias de produção das marcas de fast fashion e alertar para o consumo mais consciente.






VÍDEO

"Eu nasci em 1926 e tenho usado este tipo de vestido desde sempre. Cada símbolo, costura, pedaço de tecido e cada cor diz algo sobre mim (...) Podes ler milhares de histórias nele." No vídeo Desula realizado pelo Andrea Pecora, cerca de dez mulheres desta vila montanhosa em Sardinian continuam a usar o mesmo vestido tradicional que as acompanhou em todas as fases da vida delas, do dia do casamento ao trabalho, da adolescência à maturidade. Um vídeo encantador sobre como a roupa tradicional pode ser mais bonita e significativa do que qualquer moda que possa surgir. 




PODCAST


Já alguma vez te perguntaste quem fez a tua camisola preferida? O podcast Why do you have things? entrevista escritores, designers e artesãos independentes sobre as suas ideias e inspirações ao longo do processo de produção de uma peça. 
Aconselho o episódio com a Zini Edmundson, a editora da revista Knit Wit Magazine, e o episódio com o escritor Marc Bain, sobre consumismo, qualidade e minimalismo na moda.

Maura Ambrose of Folk Fibers in Issue 4, photograph by Josh Goleman



LIVRO

Lucy Siegle é uma das mais conceituadas jornalistas britânicas na área do jornalismo social, da justiça ambiental e do consumo ético. No seu livro To die for - Is fashion wearing out the world? ela investiga e analisa o que realmente se passa atrás das grandes marcas do mundo da moda. A sua curiosidade fê-la viajar por países em desenvolvimento e visitar inúmeras fábricas têxteis para perceber o impacto que o consumo desenfreado da sociedade ocidental tem a nível social e ambiental.




REVISTA

A edição da revista Vestoj sobre slowness fez parte dos meus favoritos do mês de Março mas seria imperdoável não a referir novamente aqui. Com um tom convidativo e inteligente apresenta-nos entrevistas, artigos e excertos literários sobre a importância de abrandarmos e apreciarmos a história, originalidade e beleza de uma peça de roupa.



ARTIGO

A h&m tem sido das marcas de fast fashion que mais frequentemente vemos associada à sustentabilidade e ao comércio justo mas isso pode não ser suficiente. No artigo escrito pelo Marc Bain sobre a campanha World Recycle Week, ele defende que esta iniciativa é um trunfo publicitário sem consequências positivas no impacto ambiental e social da marca. Além disso, a oferta de um voucher de 15€ pela roupa reciclada funciona também como um incentivo ao consumo rápido.

A cantora MIA no videoclipe criado para a campanha World Recycle Week da H&M

5 comentários:

  1. Respostas
    1. De nada! Espero que tenhas gostado das sugestões :)

      Eliminar
  2. Inês vc ficou sabendo do evento fashionrevolution.org?
    qual sua opinião sobre o aumento de consciência das pessoas sobre esse assunto?
    Se importa se conversamos por email(para trocar ideias sobre esses assuntos)?
    www.mundominimalistablog.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  3. Onde compras a tua roupa? Eu gostaria de não comprar fast fashion mas nao sei por onde começar...
    Beijinhos
    Inês

    ResponderEliminar