Carta de amor à imperfeição



Querida, indesejada, imperfeição,

O mundo não tem sido um lugar fácil para ti. Cada vez que apareces, seja na forma de um cabelo fora do sítio ou de um erro numa frase, nós, humanos, fazemos o possível e o impossível para te corrigir, mudar e aperfeiçoar. Não há lugar para erros nos tempos de hoje. Já não há tempo para coser os buracos das meias, colar uma chávena partida ou para apreciar os pequenos defeitos de alguém. O mundo pede mudança e quando o novo e o velho combatem, a vitória está sempre do lado da novidade. Assim, substituem-se as loiças, as roupas e as pessoas e começa-se uma nova relação temporária cuja data de validade expira à primeira falha.
Queria culpar-te a ti, imperfeição, mas bem sei que o erro é humano e que a paciência já nem consta na lista de virtudes. A perfeição está à espreita em cada canto e é difícil resistir ao seu encanto. Ela aparece sob a forma de modelos de corpo curvilíneo, fotografias de pequenos-almoços e diálogos sem falhas num filme de hollywood. A perfeição é o combustível ideal para o hábito do consumo. A sua energia tem tanto de inesgotável como de incansável. No entanto, aqui estou eu, a escrever uma carta de amor, sob a forma de pedido de desculpas, à imperfeição.
A expressão japonesa Wabi-sabi significa encontrar a beleza na imperfeição e é isso que eu tenho tentado fazer. Cada erro ou falha presente nas coisas que nos rodeiam ou nas pessoas de quem gostamos não é um pedido de substituição, é um reflexo de autenticidade.  
Está na altura de começarmos a aceitar os erros e as falhas e de os abraçarmos como parte de quem somos e de onde desejamos estar amanhã. O mundo pode estar a ser injusto contigo, imperfeição, mas és mais necessária do que nunca.
As tuas meias podem estar cheias de buracos, mas o reino da perfeição está vazio.

Com amor,

Inês Catarina Pinto


LOVE LETTER TO IMPERFECTION

Oh dear, undesirable imperfection..
The world hasn’t been easy on you. Every time you show your face, be it as a misplaced hair or a mistake on a phrase, we humans go to great lengths to correct, change and perfect you. There is no room for mistakes in today’s world. There’s no longer time to sew holes in socks, to glue together a broken cup or to marvel at someone else’s flaws. The world demands change, and when old and new collide, victory always defers to the new. Ergo, dishware, clothes and people are replaced, and a new temporary connection is sparked, which will break away at the first sign of imperfection.
I’d like to blame you, imperfection, but I know all too well that to err is human, and that patience is no longer a virtue. Perfection lurks in every corner and it’s hard to resist its wonder. It shows itself as a curvy model, as a picture of a perfect breakfast and the flawless dialog of a Hollywood flick. Perfection is the perfect fuel for the vices of consumerism. Its energy is as tireless as it is endless. However, here I am, writing a love letter as an apology, to imperfection.
The Japanese saying “Wabi-sabi” means finding beauty in imperfection, and that’s what I’ve tried to do. Every mistake or failure present in our surroundings or in people we like aren’t return authorizations, they are reflections of their authenticity.

It’s time to accept failure as embrace them as part of who we are and where we wish to be tomorrow. The world might be unfair with you, imperfection, but you’re needed now more than ever.
Your socks might be riddled with holes, but the reign of perfection is infested with nothing.
With love,

Inês Catarina Pinto

3 comentários:

  1. Texto Fantástico...simplesmente Adorei! Retrata tão bem a realidade dos tempos que se vivem. Adoro o teu blog Catarina. Parabéns pela partilha e por palavras tão sábias :)

    ResponderEliminar
  2. * Inês Catarina (tinha escrito só Catarina mas o teu primeiro nome é Inês...sorry)

    ResponderEliminar