Um Natal sem compras



Novembro. Dezembro. Janeiro.

Quando ainda estava a recuperar do espírito de Halloween já as lojas me estavam a impingir o próximo grande acontecimento consumista do ano, o Natal. De repente as abóboras e as decorações alusivas ao Halloween desapareceram e, sem nos darem sequer tempo para respirar, começaram as sugestões de natal.
O Natal é, e possivelmente sempre vai ser, a minha altura favorita do ano. Mas, apesar de adorar esta altura do ano, o consumo exagerado não me agrada. Gosto do Natal pela sua tradição. Porque posso estar com a minha família e ir visitar pessoalmente as pessoas de quem gosto só para desejar boas festas. É uma altura em que quase nunca estou perto do computador porque quero estar a ajudar a minha mãe e as minhas tias na cozinha a fazer bolos e a preparar receitas que só se fazem nesta altura. Lá fora os arbustos têm azevinho e as árvores, apesar de despidas, estão mais bonitas do que nunca. Cá dentro a lareira é acesa, as mantas são usadas dia sim, dia sim e há sempre chocolate quente ao final da noite. Isto é o que torna o natal na minha altura favorita do ano.
Bem, talvez não só o Natal. Todo o mês de dezembro é repleto de bons momentos e de boas memórias para mim. A neve, o meu aniversário, o regresso a casa, o natal. Se pudesse tirar um mês de férias no ano não seria em Agosto para ir para a praia. Seria em dezembro para estar na minha cidade natal. Mas agora estamos em Novembro e as lojas já me fizeram sentir mal por ainda não ter começado a comprar prendas.
Para combater esta ideia de que o natal é um mês e meio de compras seguido de um mês e meio de saldos decidi que nos próximos três meses não vou comprar nada para mim à excepção de comida e alguns produtos de higiene essenciais. Além disso, decidi fazer a maior parte das prendas que vou oferecer este natal. Eu adoro fazer cadernos cosidos à mão e preparar os meus próprios sais de banho e estou sempre à procura de uma nova oportunidade para aprender a fazer algo novo. Mas, para não estar a oferecer prendas apenas baseadas nos meus gostos, decidi aproveitar o tempo que falta até ao Natal para passar mais tempo com as pessoas de quem gosto e modo a perceber o que é que elas realmente gostavam de ter este natal, até porque as melhores prendas não são as que se podem embrulhar. Às vezes o melhor que podemos oferecer a algum é o nosso tempo e essa é uma prenda que eu espero poder dar a todas as pessoas que são importantes para mim.

Se calhar as lojas estão certas, o Natal está quase aí e não há tempo a perder. Elas só se enganaram na forma como vou aproveitar o meu tempo.


A CHRISTMAS WITHOUT SHOPPING

November. December. January
While I was still recovering from the Halloween spirit, stores began imposing the next big consumer-driven event of the year, Christmas. All of a sudden, pumpkins and Halloween decorations gave way to Christmas suggestions, almost with no time for a breather in between.
Christmas is quite possibly my favorite time of the year, and it might stay like that forever. But even though I love this time of the year, exaggerated consumerism is not something I enjoy. I like Christmas for the tradition, because I can be with my family and personally visit people I like just to wish them a merry Christmas. I’m almost never near my computer during this time, because I want to be helping my mom and my aunts at the kitchen, baking cakes and foods that are only ever made during this timeframe. Outside, the bushes are holly, and trees, albeit naked, are prettier than ever. Inside, we have a lit fireplace, there is a constant usage of blankets and there’s always some hot chocolate ready at nighttime. This is what makes Christmas my favorite time of the year.
Well, maybe not just Christmas. The entire month of December is filled with great moments and memories. Snow, my anniversary, my homecoming and Christmas. If I could have a month off during the year, it wouldn’t be in august for the sake of going to the beach. It would be during December so I could be in my hometown. But it’s November now, and the stores have already made me feel bad for not having begun shopping for presents yet.
In order to fend off this ideal that Christmas is a month and a half of shopping followed by a month and a half of sales, I won’t buy anything for myself at all, except for food and some essential hygiene products. Beyond that, I decided to make most of the presents I will give away myself. I love making hand sewn notebooks and mix my own bathing salts, and I am always looking for a new excuse to learn something new. But, in order not to offer presents based only on my tastes, I decided to use the time left until Christmas to spend more time with the ones I love and understand what they’d really like to get this Christmas, especially because the greatest gifts are the ones you can’t wrap in paper. Sometimes, the best we can give to someone is our time, and that gift is one I hope to be able to give to everyone important to me.

Maybe the stores are right after all, Christmas is coming and there’s no time to lose. They got how I’ll use my time very wrong, though.

10 comentários:

  1. Oi, Inês. Adoro essa época do ano também! Sempre me trás muita introspecção :)
    Aqui no Brasil o consumismo nessa época está nas alturas. As 'tradições' dizem que temos sempre que passar o natal e a noite da virada em roupas novas para atrair coisas boas. Onde já se viu?! Um bom ano começa com ações condizentes com os nossos planos, não roupas e mitos.
    Enfim, estou adorando o seu blog e também o instagram. Fotos ótimas, simples, minimalistas e inspiradoras :) Vi uma foto sua com uma entrevista do Greg McKeown "como ser essencialista". Achei interessante, pois li exatamente o livro dele no último mês e me trouxe muitas reflexões que acabaram por mudar o rumo de algumas escolhas que eu estava fazendo, eliminar opções boas mas que me desviariam do que eu realmente desejo para a minha vida e priorizar o essencial. O livro é mt bom e recomendo!
    Estou começando a achar as portuguesas as melhores blogueiras, tenho lido tantos blogs ótimos de Portugal! Só faz crescer em mim a vontade de visitar o país.
    Tenha um ótimo fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jess! Esta é a melhor época do ano :)
      Só é pena que o consumismo seja muitas vezes o primeiro pensamento das pessoas quando se fala nesta época do ano. Por acaso eu nunca tive o hábito de usar roupa nova no natal e na noite de ano novo, mas é costume usar algo que goste e felizmente as minhas roupas preferidas já estão no meu armário :)
      O livro do Greg McKeown parece ser óptimo, pelo menos foi a ideia com que fiquei depois de ler a entrevista dele. Espero poder ler o livro todo dele em breve.
      Obrigada pelo enorme elogio :) Um dia que venhas a Portugal espero poder encontrar-me contigo para discutirmos o livro do Greg McKeown pessoalmente.
      Desejos de uma óptima semana!

      Eliminar
  2. e as receitas de sais de banho me passa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero publicar um post e um vídeo sobre os sais de banho que costumo fazer, vou incluir aí as receitas :)

      Eliminar
  3. De dia para dia Inês o teu blogue está mais e mais inspirador. Obrigado =)

    Sofia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinto-me tão feliz ao ler as tuas palavras :) Obrigada!

      Eliminar
  4. Que belo texto!
    Eu e meu marido temos um acordo de não trocarmos presentes de Natal, achamos mais valioso aproveitar esse tempo juntos em algum lugar bonito do que nos estressando em lojas lotadas a procura de presentes que nem sempre são verdadeiramente úteis.
    Boas festas!

    ResponderEliminar