A rotina da espontaneidade



A maior parte da nossa vida é passada a trabalhar. Quase todos os dias de manhã acordamos e começamos uma rotina que nos levará ao nosso local de trabalho. Esta rotina é invertida ao final do dia. Saímos do trabalho e percorremos o mesmo caminho que fizemos de manhã, mas no sentido contrário. A seguir chegamos a casa, comemos, mudamos de roupa e, eventualmente, voltamos a deitar-nos. Tudo isto para amanhã termos coragem de fazer tudo outra vez.
Esta repetição diária transforma-se depressa numa repetição mensal. Os dias transformam-se em meses e os meses em anos e durante todo esse tempo a nossa preocupação é ganharmos dinheiro suficiente para no final do dia termos um local onde regressar, alimentos para comer e uma cama para dormir. É uma repetição constante de acções que nos fazem entrar em modo automático. Acordar, comer, trabalhar, dormir.
Apesar desta rotina nos fazer parecer mais robôs do que humanos, a repetição pode ser a nossa melhor aliada. A rotina e a repetição não são as culpadas de uma vida monótona, os culpados somos apenas nós. A escolha entre ter um dia aborrecido e igual a todos os outros é nossa e isso são boas notícias, porque significa que é algo que podemos facilmente mudar.
Eu tenho um trabalho a tempo inteiro e a minha rotina é muito parecida àquela que eu descrevi, mas isso é apenas uma parte da minha rotina. Existe um outra parte que muda quase todos os dias e que torna o meu quotidiano mais interessante, diferente e significativo. Ver um filme ao pequeno-almoço. Ir por um caminho alternativo para o trabalho. Descobrir um sítio novo no meu intervalo para o almoço. Falar com alguém com quem já não falava há muito tempo. Ouvir o novo álbum da minha música preferida. Tirar fotografias. Conversar até quase ficar sem voz ou ficar em pleno silencia a aproveitar a noite. Fazer panquecas há meia-noite só porque sim. Dançar na sala com música que só existe na nossa cabeça. Ficar acordada toda a noite para ver o nascer do sol. Comprar um bilhete para um espectáculo de que nunca ouvi falar.

A diferença entre ter uma rotina e ser escravo dela é o que nos distingue das máquinas. Eu posso ter uma rotina igual há de tantas outras pessoas mas isso não me impede de aproveitar ao máximo os meus dias. A rotina é a base perfeita para a espontaneidade. É um lugar onde nos sentimos seguros o suficiente para experimentarmos todos os dias algo novo e diferente. 


THE ROUTINE OF SPONTANEITY


Most of our lives is spent working. Almost every day we wake up and begin a routine that leads us to our workplace. This routine is inverted at the end of the day. We leave work and walk the same path we did in the morning, but in reverse. After that we get home, eat, change our getup and eventually, go back to bed. All of this to regain the courage to do it all again tomorrow.

This daily repetition quickly becomes a monthly one. Days turn into months and months into years and for all that time our main concern is earning enough money for being able to afford a place to go back to, food to eat and a bed to sleep on. It’s a constant cycle of actions that make us go into autopilot. Wake up, eat, work, sleep.

Even though this routine may make us seem more like machines than humans, repetition can be our greatest ally. Routine and repetition aren’t the culprits of a monotonous life, we are. The choice between having a boring day is ours alone, and that is good, because it means it’s something we are empowered to change if we want to.

I have a full time job and my routine is very similar to the one I described, but that’s just a part of it. There is another part that changes almost every day and that turns my days into something interesting, different and meaningful. Watching a movie at breakfast. Speaking to someone I hadn’t talked to in a long time. Listening to my new favorite album. Taking pictures. Chatting until my voice can take no more, or just enjoy the silence of the night. Making pancakes at night for no particular reason. Dancing in the living room to songs within our heads. Staying up all night just for the sunrise. Being a ticket for a show I know nothing about.

The difference between having a routine and being a slave to it is what sets us apart from machines. I may have a routine similar to a million others, but that won’t stop me from enjoying my days to their fullest extent. Routine is the perfect base for spontaneity. It’s a place where we feel safe enough to try something new every day.

3 comentários:

  1. É o que eu estava conversando : viver um dia de cada vez e não ficar esperando só pelo final de semana,todo dia é dia de aproveitar e ser feliz mesmo na rotina
    Pâmela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu antes passava a semana inteira à espera da sexta-feira à tarde, um dos meus momentos preferidos da semana. Mas enquanto esperava estava a perder bons momentos ao longo da semana. Agora tento aproveitar o melhor de cada dia.

      Eliminar
  2. Faz uma lista de coisas interessantes para fazer!

    ResponderEliminar