A calma em 31 dias



Há quem acredite que o mundo é feito por pessoas que trabalham 24 horas por dia, 7 dias por semana e que andam sempre com um sinal invisível de "ocupado" para onde quer que vão. Há quem ache que ser produtivo é estar horas sentado ao computador e que o sucesso é inversamente proporcionar ao número de horas que dormimos. Para mim estes conceitos são apenas uma má desculpa para nos fazer acompanhar um ritmo de vida frenético que nos faz parecer mais máquinas e menos humanos.
Entretanto, aqueles que trabalham e que alcançam os seus objectivos enquanto conseguem apreciar o tempo entre amigos e família são apelidados de preguiçosos e diagnosticados com falta de ambição. Afinal, o sonho americano é cada vez mais global e hoje quase todos queremos trabalhar mais, para ganhar mais e simultaneamente para comprar mais. Como diz Peter Block, no seu livro "A Sense of Belonging", os valores familiares e o ócio têm sido sacrificados para podermos adoptar um certo estilo de vida baseado naquilo que temos e no que queremos ter. 
Em tempos, os membros da nobreza exibiam a sua riqueza através do lazer. Tocar piano, ler, estar num salão entre amigos eram os maiores luxos que se poderia ter. Hoje, o trabalho parece ser o novo lazer. Sair tarde do trabalho e chegar cedo é uma prova de dedicação e mesmo as horas em que não estamos no local de trabalho são muitas vezes passadas a fazer trabalho extra ou com a cabeça ainda no escritório. A qualidade não interessa quando se apresenta quantidade e o trabalho feito com cuidado e perfeição é desvalorizado em função da pressa e, quando damos conta, já nem nos lembramos da última vez que almoçámos sem olhar para o relógio. 
Mas, no meio de toda esta loucura há o mês de Agosto, um mês que se quer calmo. Afinal, é o mês das férias, do sol, dos passeios e da praia. Toda a gente parece estar relaxada e com vontade de aproveitar o sol e até as notícias nos relembram que estamos na silly season. Quando um mês nos proporciona este tipo de calma o melhor é aproveitar o que ele tem de melhor, seja um gelado ao final da tarde, uma conversa à luz do luar ou um passeio de bicicleta logo de manhã. 
Foi a pensar nisto que decidi criar o desafio #31DiasdeCalma. O objectivo é durante cada um dos dias do mês de Agosto aproveitarmos todos aqueles momento de descanso e de calma que nos deixam renovados e com coragem para mudar o mundo durante o resto do ano. O objectivo não é apenas mostrar momentos de férias, é mostrar como podemos conseguir trazer um pouco de calma para o nosso dia-a-dia mesmo se estivermos a trabalhar. Pode ser apenas o simples acto de aproveitar uma chávena de chá ou ouvir o nosso álbum preferido do início ao fim ou mesmo escolher o caminho mais lento para o trabalho só porque podemos ir até lá com calma.
O mundo já é um lugar demasiado louco e apressado por isso vamos aproveitar da melhor forma os pequenos momentos de calma que vamos tendo ao longo dos nossos dias.
Eu vou durante todos os dias de Agosto partilhar no Instagram uma imagem de um momento de calma que tive nesse dia usando a hashtag #31DiasdeCalma e convido toda a gente a juntar-se a mim e a fazer o mesmo. Vou também partilhar no Ello alguns vídeos de 3 minutos e 10 segundos sobre o momento de calma que tive. Três minutos pode parecer muito tempo para um vídeo mas afinal, quem é que tem pressa?
Este desafio não podia ser mais simples mas acredito que pode ajudar-nos a dar mais valor a pequenos momentos de calma quando estamos a começar a sentir-nos como robôs.
Quem me acompanha?

Instagram - https://instagram.com/mmminimal.blog/
Ello - https://ello.co/inescatarina

---

Calm in 31 days

Some people believe that the world is made by those that work 24 hours a day, seven days a week and that never leave the house without a invisible "I'm busy" sign hanging around their neck. This type of people also believe that being productive is sitting all day in front of the computer, and that the amount of success we have is inversely proportional to the number of hours we sleep at night. In my opinion, these concepts are just a lazy excuse to live a frenetic life that make us feel more like robots than humans. Meanwhile, the ones that work to make their dreams come true and still take time to be around family and friends are called lazy and accused of lack of ambicion. After all, the american dream is more global than ever and nowadays everybody wants to work more, to earn more and to buy more. Like Peter Block write in her book "A Sense of Belonging", familiar values and idleness have been sacrified in the name of a certain way of life, also known as consumerism. Decades ago, the members of aristocracy had display their wealth throught idleness. Playing piano, reading, and being at the salon with friends were the major luxuries anyone could achieve. But today, the work is the new leisure. Arriving to work early and being the last to leave is seen as a proof of dedication and, even when we are not at work, we should act like we are always busy. Even if the quantity of our work is devalued. But, in the middle of all this crazyness, theres a month when everybody looks calm and relaxed. I'm talking about August, the perfect month to enjoy a walk on the beach, to spend the afternoon with friends and to leave the hurry behind. When a month arrive with this sense of calm all we could do is enjoy. And thats the reason why I decided to create the #31daysofcalm challenge. The point is to apreciate a moment of calm every single day during this month. With this I intend to value more the little things that bring me joy, It could be drinking a cup of tea, walking in the park, or listening our favourite music. In one sentence, this challenge was created to bring peace and calm to our days. After all, the world is already full of hurry, crazyness and work so let's enjoy all the little moments of calm we could, because after that we will have enought courage to change the world. During this month, I'm going to share on instagram pictures of my moments of calm and I'm inviting you all to do the same using the hashtag #31daysofcalm. I'll also be sharing some vídeos through Ello. This challenge couldn't be easier but I believe this could helping us to value what's really important when we start to feel like robots. Are you with me?


Instagram - https://instagram.com/mmminimal.blog/
Ello - https://ello.co/inescatarina

7 comentários:

  1. Super legal a ideia! :) Gostei e também quero implementar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bruna, fico feliz por saber que também vais fazer este desafio :)

      Eliminar
  2. Excelente post! Obrigada

    Patrícia

    ResponderEliminar
  3. Oi Inês,
    Já acompanho seu blog há algum tempo, mas nunca havia comentado.
    Mais um post que fala exatamente o que eu penso.
    Ultimamente ando preferindo o meu tempo a qualquer quantia de dinheiro que depois nem poderei gastar adequadamente. Ando refletindo muito sobre isso!
    Bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Camila :) Antes de mais obrigada por teres deixado este comentário.
      Eu também escolho sempre o tempo em função do dinheiro e nunca me arrependo dessa escolha. É incrível a quantidade de coisas que podemos fazer quando decidimos "comprar" tempo e não objectos.

      Beijos

      Eliminar
  4. Querida Inês,
    Desde que descobri o teu blogue que não o consigo parar de ler, como se fosse um livro. Muitos parabéns!

    Uma questão: Reparei que nos teus posts várias vezes fazes referência a livros sobre situações reais e actuais. Acredito que isto também seja parte do teu trabalho, e a verdade é que acho o jornalismo de investigação muito interessante. Será possível deixares-nos uma lista dos livros que leste e recomendas sobre temas como a economia, o consumismo, ambiente...?

    Obrigada pela dedicação e pelo teu trabalho!

    ResponderEliminar