Fazer o que gostamos


Eu gosto de ser minimalista. Agrada-me o facto de ter menos produtos, menos roupa e menos coisas. Contudo, quando se trata de fazer as coisas de que gosto, a palavra “mais” não me saí da cabeça.
Quando tive de escolher o curso que queria seguir achei que Ciências da Comunicação seria uma boa opção por gostar imenso de escrever e por ter liberdade o suficiente para escolher entre várias áreas possíveis ao longo do caminho. Mas, apesar de gostar imenso do curso que estava a seguir, estava sempre a mudar de ideias sobre o que eu realmente gostaria de fazer no futuro. A cada mês que passava a minha cabeça mudava de ideias. Num dia queria ser jornalista, no outro queria seguir a área de investigação e na semana a seguir já estava a pensar que um mestrado em comunicação empresarial poderia ser boa ideia. O problema era sempre o facto de eu gostar de fazer muitas coisas diferentes.
Quando comecei o meu mestrado em Estudos de Média e Jornalismo as áreas onde eu gostava de trabalhar começaram a aumentar em vez de diminuírem. Eu queria escrever artigos, fotografar situações, ser web-designer, gerir redes sociais, trabalhar como assessora de imprensa, especializar-me em comunicação institucional e ainda ser criativa e ter a oportunidade de concretizar todas as minhas ideias.
Só há pouco tempo é que percebi que quando se trata de fazer as coisas de que gostamos que menos não é mais. Em vez de continuar a escolher qual era a área da comunicação em que eu queria trabalhar decidi simplesmente fazer todas as coisas de que gostava. Durante o dia trabalhar como assessora de imprensa e tenho oportunidade de escrever press releases, fazer newsletters, gerir a comunicação de marcas nas redes sociais e ainda ser criativa, fazendo campanhas que podem ajudar as marcas a comunicar melhor os seus valores e ideias. Nos meus tempos livres escrevo para o Minimal, onde tenho oportunidade de partilhar um pouco mais sobre os valores que defendo e o meu dia-a-dia.
Apesar de na maior parte do tempo estar a fazer coisas que eu adoro, às vezes há ideias que não me saem da cabeça até as concretizar. Mas a melhor parte de tudo isto é saber que a única razão porque tenho tempo para fazer todas estas coisas é porque há cada vez menos objetos a impedirem-me de ver o caminho que quero seguir.

3 comentários:

  1. Olá, sobre esta questão de se gostar de fazer muita coisa e não se conseguir decidir, dá uma espreitadela a este post http://www.doceparaomeudoce.com/2015/06/nao-sou-uma-aberracao-da-natureza-im.html ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana, obrigada pela sugestão, vou ver :)

      Eliminar
  2. Gostei bastante do post.
    Me fez pensar em vários detalhes diários. Parabéns!
    Ah, e ótima a foto, rs.

    ResponderEliminar