5 coisas que aprendi com a Vivienne Westwood

Imagem da edicção nº 9 da revista The Gentlewoman

Durante a noite passada decidi desconectar-me do computador e passar uma noite calma na companhia da minha revista The Gentlewoman. Já tinha esta revista há alguns meses e até já a tinha lido mas ela é tão boa e de tão tamanha qualidade que tenho sempre vontade de a reler novamente.
Um dos artigos que quis ler pela segunda vez foi a entrevista com a Vivienne Westwood, uma maravilhosa estilista inglesa de 72 anos que é tão boa a fazer vestidos como a falar sobre as mudanças climáticas. Aliás, ela foi a razão por ter comprado esta revista e eu não poderia estar mais satisfeita.
Neste post eu poderia escrever linhas e linhas sobre o que achei da entrevista mas, em vez disso, decidi enumerar as coisas que aprendi com ela fazendo recurso a citações da entrevista na The Gentlewoman
Não é por acaso que o artigo começa com a frase "When Vivienne talks, we should listen".


Cinco coisas que aprendi com a Vivienne Westwood:

1 - Ter dinheiro não significa ser materialista

"A Vivienne não está interessada nas armadilhas materialistas da fama e do sucesso, apesar de as aceitar de forma graciosa e com gratidão."

2 - Tudo o que precisamos é de um propósito criativo e intelectual

"Ela não romantiza a pobreza, mas as suas necessidades são bastante simples- aquilo que ela realmente precisa é de um propósito criativo e intelectual. A sua riqueza, pelo menos grandes pedaços dela, são utilizados em favor de instituições de preservação ambiental."

3 - Fazer compras melhores torna o mundo num lugar melhor

"Como muitos designers, ela acredita que se comprarmos de forma mais discriminada e escolhermos coisas que durem, o mundo seria um lugar melhor."

4 - Só deves comprar aquilo de que realmente gostes

"Eu vou apenas mencionar uma coisa que o Andreas me disse. Ele estava a ficar farto por eu passar tanto tempo a apoiar a revolução climática, então ele disse: " É muito mais importante fazer um bonito vestido. Se as pessoas comprassem apenas roupas bonitas, tu não precisarias de estar tão preocupada com a revolução climática." E se pensarmos bem, ele provavelmente tem razão. "Se realmente gostares de uma coisa, então deves tentar comprá-la. E se não a conseguires comprar, então não compres algo por metade do preço de que não gostes tanto. Não faças isso."

5 - Evita os loucos saldos das lojas

"Quando tinha 14 anos, vivia a 12 milhas de Manchester, e decidi ir lá quando os saldos estavam a acontecer. Eu nunca mais voltei a ir aos saldos depois disso, porque me apercebi que tinha comprado coisas só porque na altura achei que eram ok. Quando cheguei a casa não achei que fossem nada de especial e acabei por não as vestir assim tanto."


2 comentários: